Mac Studio – Absolutamente TUDO o Que Você Precisa Saber!

 

Se você não sabe, Mac Studio é o novo super computador lançado pela Apple voltado para:

  • Músicos
  • Artistas
  • Fotógrafos
  • Diretores de vídeo
  • Modelagem 3D
  • Dentre outras funções de alto processamento.

Neste artigo vamos mostrar tudo o que você precisa saber sobre o Mac Studio, sobretudo para saber se ele serve para você.

Mac Studio em detalhes

Saiba que o Mac Studio é um computador desktop semelhante ao Mac mini. Além disso, o Mac Studio é mais alto que o Mac mini. Você também pode escolher entre o M1 Max e o novo chip M1 Ultra, em outras palavras é possível ter o melhor dos mini desktops. Da mesma forma, também vamos te mostrar como o Mac Studio possui vários recursos de conectividade que te ajudarão no dia a dia.

Mac studio

Além disso, o suporte para 18 streams de vídeo ProRes o torna excelente para uma configuração de estúdio. Vamos dar uma olhada mais de perto, sobretudo no que e em tudo o Mac Studio tem a oferecer.

Especificações do Apple Mac Studio

O Mac Studio está disponível em uma variedade de configurações. Você pode criar a combinação perfeita personalizando o processador, a memória unificada e o armazenamento SSD.

Hardware Mac Studio com chip M1 Max Mac Studio com chip M1 Ultra
Processador M1 Max com
CPU de 10 núcleos
GPU de 24 núcleos
Motor neural de 16 núcleos
M1 Ultra com
CPU de 20 núcleos
GPU de 48 núcleos
Motor Neural de 32 núcleos
Memória Unificada 32 GB, expansível até 64 GB 64 GB, expansível até 128 GB
Armazenamento SSD de 512 GB expansível até 8 GB SSD de 2 TB, expansível até 8 TB
Conectividade Thunderbolt 4
DisplayPort
USB 4 (até 40 GB/s)
USB 3.1 (até 10 Gb/s)
2 portas USB-A
Porta HDMI
Ethernet de 10 Gb
Entrada para fone de ouvido de 3,5 mm
Thunderbolt 4
DisplayPort
USB 4 (até 40 GB/s)
USB 3.1 (até 10 Gb/s)
2 portas USB-A
Porta HDMI
Ethernet de 10 Gb
Entrada para fone de ouvido de 3,5 mm
Áudio Alto-falante embutido
Tomada de áudio de 3,5 mm
Porta HDMI
Alto-falante embutido
Tomada de áudio de 3,5 mm
Porta HDMI

 

Design e estrutura

A altura é a primeira coisa que você vai notar ao ver o Mac Studio pela primeira vezsobretudo se compara-lo com o Mac Mini. já o chassi de alumínio arredondado e a grade de alto-falante usinada causam um belo impacto visual, sobretudo com uma aparência elegante. Embora o Mac Studio tenha uma design diferenciado Colocando as coisas em perspectiva, o Mac Studio ainda é bastante compacto para tudo o que oferece.

Segundo a Apple, o Mac Studio é um dos desktops mais poderosos do mundo, afinal com uma pegada de 7,7 polegadas é possível inserir um processador maior que ajuda demais no processamento. Desse modo, com 4000 perfurações a refrigeração se torna muito mais viável.

 

Desempenho

Conforme a mensagem da Apple, o Mac Studio não deixa pedra sobre pedra quando se trata de performance, sobretudo com sua memória unificada com 128GB. Assim como os novos Macs, você também pode comprar o Mac Studio com o M1, entretanto com melhor processamento. O recém-anunciado chipset M1 Ultra pode conduzir 18 fluxos de ProRes 8K, enfim muita performance!

O que você ganha ao comprar o Mac Studio?

O M1 Ultra é composto por uma CPU de 20 núcleos, GPU de até 64 núcleos, 128 GB de memória unificada e uma enorme largura de banda de memória de 800 GB/s. O chipset oferece:

  • Desempenho gráfico até 4,5 vezes melhor em comparação com o iMac de 27 polegadas.
  • Aprendizado de máquina até 3 vezes mais rápido quando comparado ao iMac de 27 polegadas.
  • Desempenho de CPU até 3,8 vezes mais rápido em comparação com o iMac de 27 polegadas de 10 núcleos.

 

Portas e conexões

Do mesmo modo o Mac Studio vem com uma faixa de portas de conectividade. Você obtém portas Thunderbolt 4, uma tomada Ethernet, portas USB-A, uma porta HDMI e uma entrada para fone de ouvido padrão. Além disso ainda oferece duas portas frontais de USB-C, ou seja, vai facilitar o dia a dia.

 

 

O Mac Studio é compatível com até quatro Pro Display XDRs. Ou você pode conferir a tela mais recente do Apple Studio.

 

Preços e disponibilidade do Mac Studio

O Mac Studio básico com M1 Max começa em R$ 22.999 e vem com memória unificada de 32GB e SSD com 512GB de armazenamento. Já a versão top de linha vem processador M1 Ultra, com 64GB e TB, respectivamente.

 

 

 

 

Sobre Paulo Alexandre

E-empreendedor, Consultor de tecnologia, Especialista Apple, Blogger,
criador do portal Tecnologia Pessoal e Blog do Super Apple.

Como fazer downgrade do MacOS Monterey para o macOS Big Sur

 

Se você instalou o MacOS Monterey recentemente no Mac e teve problemas como incompatibilidade de apps, instabilidade ou algum outro problema com o MacOS veja este tutorial até o final. Abaixo vamos te mostrar como fazer o downgrade do MacOS Monterey para o MacOS Big Sur.

O downgrade do macOS Monterey envolve apagar completamente o Mac, reinstalar o macOS e, em seguida, usar o Time Machine para restaurar os dados, e esse é o método que abordaremos aqui. Contudo o processo é um pouco diferente em Macs Intel x Macs Apple Silicon.

⚠️ Se você não tiver um backup do Time Machine disponível antes de atualizar para o macOS Monterey, não prossiga.

Pré-requisitos para o downgrade

Desde já é preciso que você esteja preparado para o processo, por isso antes de mais nada siga os passos abaixo:

1. Fazer um backup completo do seu computador antes de começar o processo;

2. Ter uma unidade inicializável do instalador do MacOS Big Sur, que será útil para reinstalar o MacOs em Mac com o Apple Silicon. Veja como aqui!;

3. Uma conexão com a internet.

Vale lembrar que para os Macs com Apple Silicon, você estará limitado a fazer o downgrade para o macOS Big Sur, já que essa é a versão mais antiga suportada pelo Big Sur. Macs M1 Max e M1 Pro não podem fazer downgrade para o Monterey.

 

Como fazer downgrade do MacOS Monterey para o MacOs Big Sur 

Antes de tudo, sempre faça um backup completo do Time Machine. Além disso, certifique-se de ter um backup mais antigo do Time Machine esteja disponível antes de atualizar para o MacOS Monterey.

Observe que qualquer discrepância de dados entre os dois backups deve ser resolvida manualmente, copiando os arquivos criados entre o Monterey e o backup, para um HD externo, para que possam ser restaurados após o downgrade.

 

Guia Prático com o Passo a Passo

Todo processo se resume a apagar o Mac, ao mesmo tempo que reinstala o macOS. Em seguida será necessário restaurar o computador a partir do backup do Time Machine.

1. Primeiramente verifique qual é a arquitetura do seu Mac, em seguida o reinicie:

  • Para o Mac M1: mantenha pressionado imediatamente o botão liga/desliga até ver as opções de inicialização, depois escolha “Opções” e continue
  • Para Intel Mac: mantenha pressionadas imediatamente as teclas Command + R para inicializar seu Mac no modo de recuperação

2. Em seguida, entre no modo de recuperação e escolha o aplicativo “Utilitário de Disco” e selecione a unidade onde o macOS Monterey está instalado e, em seguida, escolha “Apagar” nas opções – isso excluirá todos os dados no Mac.

3. Agora selecione a unidade onde o MacOS Monterey está instalado e, em seguida, escolha “Apagar” nas opções – isso excluirá todos os dados (Lembre-se que o backup precisará estar ok)

4. Selecione “Apple File System (APFS)” (provavelmente) ou “Mac OS Extended Journaled (HFS+)” (geralmente em Macs mais antigos sem unidades de SSD) como o tipo de sistema de arquivos e clique em “Apagar” para formatar o Mac.

ISSO APAGARÁ TODOS OS DADOS NA UNIDADE, PORTANTO SEUS ARQUIVOS TAMBÉM SERÃO APAGADOS

Continue a instalação…

Depois de seguir os passos anteriores, chegou a hora de seguir com a instalação. Para isso, saia do “Utilitário de Disco” para continuar na instalação.

Se Seu Mac for Intel

Primeiramente selecione “Restaurar do Time Machine” no menu Utilitários do macOS, em seguida selecione a unidade do Time Machine conectada ao seu Mac e escolha “Continuar”. além disso na tela “Selecionar um Backup”, escolha o backup mais recente feito com a versão do macOS para a qual você deseja fazer o downgrade, no caso o MacOs Big Sur

Agora, clique em “Restaurar” para iniciar o processo de restauração/downgrade para essa versão do macOS

Se Seu Mac for Apple Silicon M1

Primeiramente reinicie o Mac e inicialize a partir de uma unidade USB do instalador do macOS Big Sur conectando via porta USB ao Mac ao mesmo tempo que mantendo pressionado o botão liga/desliga para selecionar o instalador do macOS no menu de inicialização.

Agora, escolha “Reinstalar o MacOS Big Sur” e siga as etapas de instalação. Depois de concluir é só restaurar a partir do backup mais atualizado dentro do sistema que deseja.

 

Considerações Finais

Talvez seja necessário permitir a inicialização de uma unidade externa no Mac com chip T2 se estiver tentando inicializar um Mac Intel com uma unidade USB inicializável.

Você também pode reinstalar o macOS Big Sur em um Mac com Apple Silicon M1 usando a Recuperação via Internet. Para isso essa função pode ser acessada nas opções do menu de inicialização ao manter pressionado o botão liga/desliga no início do sistema. Entretanto da velocidade da sua conexão com a Internet isso pode ser mais lento do que usar uma chave USB.

Quando tudo estiver concluído, seu Mac será restaurado de volta ao macOS Big Sur, ou seja agora é a hora de resolver qualquer discrepância de arquivos, portanto, se você tiver dados dos quais fez backup manualmente entre a atualização de Monterey e o backup restaurado do Big Sur, você vai querer copiar esses arquivos.

Sobre Paulo Alexandre

E-empreendedor, Consultor de tecnologia, Especialista Apple, Blogger,
criador do portal Tecnologia Pessoal e Blog do Super Apple.

iPad Pro ou MacBook Pro? Veja Este Material Antes de Comprar 

 

O iPad Pro e o MacBook Pro da Apple são frequentemente utilizados para realizar as mesmas tarefas. Com ambos você pode navegar na internet, fazer compras on-line, enviar e-mails, editar vídeos ou até mesmo jogar.

Embora o uso seja muito parecido, o iPad Pro e o MacBook Pro têm prioridades diferentes. A maioria das pessoas pode esperar que qualquer um dos dois corresponda o uso diário, porém há situações em que um claramente bate no outro.

 

Veja este tutorial antes de comprar um iPad Pro ou Macbook Pro

É fato que o iPad Pro e o MacBook Pro são semelhantes em muitos aspectos, sobretudo hoje que o hardware do iPad Pro avançou muito com o chip M1

O Magic Keyboard da Apple para o iPad Pro e a adição de suporte ao mouse para iPadOS significam que você pode usar o iPad Pro como um laptop. A linha MacBook Pro está mudando para o Apple Silicon, unificando o design do processador em todos os produtos Apple.

No entanto, você não pode transformar um MacBook Pro em um tablet, e isso destaca uma diferença fundamental. O iPad Pro pode ser usado em uma mesa, em pé em um ônibus ou deitado na cama. Você só pode usar o MacBook Pro em uma superfície plana.

Entretanto o que o MacBook Pro não tem em versatilidade, ele ganha em personalização. Um MacBook Pro pode executar mais softwares porque pode acessar aplicativos fora de sua própria App Store. Você pode pesquisar opções que não encontrará em nenhum iPad. O MacBook Pro também pode se conectar a mais dispositivos externos simultaneamente.

Facilidade de uso e versatilidade

Você pode usar um iPad da maneira que se sentir mais confortável, e o iPadOS se adapta com base em como você o está utilizando. Se você quiser mudar de tablet para laptop, basta conectar o Magic Keyboard e começar a digitar.

O MacBook Pro da Apple, que executa o macOS, se orgulha de sua facilidade de uso em comparação com o Windows. Isso é por uma boa razão. O MacOS é acessível, e a Apple aplicou as lições aprendidas com o sucesso do iOS ao design do macOS.

Ainda assim, o macOS traça sua linhagem até o Mac OS original lançado em 1984. A Apple o projetou para uso em uma mesa com teclado e mouse por pessoas com conhecimento sobre computadores domésticos. A Apple removeu o atrito do macOS ao longo dos anos, mas nunca vai abalar esse legado. Um MacBook sempre será mais complexo do que um iPad. Você só deve contar isso como negativo se estiver procurando simplicidade.

 

Multitarefa

O iPad Pro e o MacBook Pro suportam multitarefa, mas o MacBook Pro é o favorito.

A multitarefa do iPad Pro é rudimentar. Você pode abrir dois apps lado a lado no Split View ou usar um recurso chamado Slide Over para colocar um app em cima de outro. O iPad Pro também é compatível com imagens, e o iPad tem vários gestos de toque projetados para facilitar a troca de apps.

O MacBook Pro não tem limite para o número de aplicativos que você pode abrir e usar. Você pode assistir a vários vídeos simultaneamente. Você pode exportar um vídeo do Adobe Premiere Pro enquanto conversa no Slack com colegas de trabalho, assiste ao seu reality show favorito e acompanha os e-mails recebidos.

O suporte à tela externa do iPad Pro é limitado. Você pode conectá-lo a uma tela externa, mas o iPad Pro só espelhará sua tela. Todos os MacBook Pros podem estender o espaço útil da tela para pelo menos uma tela externa e lidar com vários aspectos e resoluções.

 

Suporte para tela sensível ao toque e Apple Pencil

Este é óbvio. Todo iPad Pro tem uma tela sensível ao toque e suporte ao Apple Pencil, algo que nenhum MacBook Pro tem.

A maioria das pessoas verá isso como uma questão de conveniência, mas, para muitos criativos, vai mais fundo. Um iPad Pro com um Apple Pencil é uma potente ferramenta de criação digital pronta para uso.

Um proprietário de MacBook Pro que procura recursos semelhantes tem que comprar um tablet de desenho específico, como um Wacom Cintiq 22, que é mais caro do que um iPad Pro. Mesmo assim, a configuração Wacom só é adequada para uso em uma mesa em um estúdio.

Qualquer um que passe muito tempo com uma caneta vai querer o iPad Pro. É um valor imbatível para os artistas.

 

Personalização

O MacOS é complexo, mas suporta personalização extensa. Aqui está apenas uma amostra de opções acessíveis em um MacBook Pro que um iPad Pro não permite que você toque.

  • Resolução ou proporção de uma tela interna ou externa
  • Configurações do diretório de arquivos
  • Configurações avançadas de impressora ou scanner
  • Gerenciamento avançado de energia, como despertar na LAN ou nível crítico da bateria
  • Instalação de apps não adquiridos na App Store

O iPad Pro não suporta muitos recursos, especialmente aqueles relacionados a dispositivos externos. Você não pode usar um iPad Pro como servidor de arquivos. Você pode usá-lo com impressoras com fio, mas não é fácil de configurar. O iPad Pro não é compatível com scanners externos. A App Store da Apple bloqueia o software de virtualização, portanto, você não pode executar o Windows ou Linux em um aplicativo de virtualização.

Neste ponto, você pode estar se perguntando, “quem se importa?” A maioria das pessoas não se importa com as tarefas acima. Ainda assim, é essencial saber sobre essas limitações antes de comprar, porque o iPad Pro pode não suportar esse recurso de nicho que você precisa.

Você não pode programar em um iPad Pro, já no MacBook Pro sim : )

Falando em limitações, aqui está uma importante. O iPad Pro não é uma ferramenta para programadores.

O iPad Pro não suporta Xcode, o ambiente de desenvolvimento integrado que a Apple oferece para desenvolvedores de aplicativos. É irônico porque o Xcode é usado para criar aplicativos para iPad, mas não há sinal de que a Apple planeja mudar de direção neste ponto.

Você também não pode usar o iPad Pro para executar outros ambientes de desenvolvimento de software. Do Microsoft BASIC ao mecanismo de jogo Unity, você está sem sorte.

O iPad Pro pode acessar a Internet para que você possa acessar ferramentas on-line, como o GitPod. No entanto, essas ferramentas não serão suficientes para satisfazer a maioria dos programadores, e você precisará de outros dispositivos para testar seu trabalho corretamente.

 

O Veredicto Final

A escolha entre o iPad Pro e o MacBook Pro é uma escolha entre versatilidade acessível ou personalização e recursos poderosos.

O iPad Pro é intuitivo e fácil de usar, mas é útil para muitos usuários em muitas situações. Um artista digital o usará de forma diferente de um cinegrafista, que o usará de forma diferente de um jogador, mas todos os três acharão o iPad Pro simples.

 

O MacBook Pro é complexo e personalizável. Você pode expandir seus recursos de maneiras poderosas para realizar tarefas específicas que o iPad não pode fazer. Você pode usá-lo para hospedar arquivos, criar um aplicativo para iPhone ou iPad ou alimentar uma estação de trabalho de monitor triplo, mas terá que trabalhar um pouco.

Sobre Paulo Alexandre

E-empreendedor, Consultor de tecnologia, Especialista Apple, Blogger,
criador do portal Tecnologia Pessoal e Blog do Super Apple.

[TOP] 3 Alternativas Gratuitas ao Microsoft Office no Mac – Garantido!

Microsoft Office no Mac? Conheça 3 boas alternativas gratuitas

Deixar o Windows para trás, NÃO é a coisa mais difícil de fazer. Se você usa Mac deve concordar comigo! Não é nada pessoal Microsoft, mas basta uma pessoa comprar um novo Mac, levar alguns dias para se entender com ele e nunca mais vai olhar para trás.

O problema só acontece quando sentimos falta de algum software específico que rodava no PC. Como é o caso de algumas pessoas que utilizavam o Microsoft Office no Mac.

 

Veja também:

 

Para quem preparamos este material

Comprar o Office para Mac pode até ser fácil, inclusive se você já utiliza o Office 365 no PC com Windows, pode utilizar a mesma licença no Mac. Caso contrário, pode ser um aborrecimento para você. Se você trabalha no ambiente de escritório tradicional com Excel e Word, talvez seja necessário continuar utilizando o Microsoft Office. Mas se você já superou a necessidade de utilizar o Office, e pode escolher, temos o prazer de te apresentar 3 alternativas ao Microsoft Office no Mac.

 

 

Conheça as 3 Melhores Alternativas ao Microsoft Office no Mac

Veja abaixo a lista com as alternativas:

 

1. Google Docs

Se você deseja abandonar de vez o mundo da Microsoft, sem dúvida utilizar os serviços do Google pode ser uma boa! Assim como no Microsoft Office, o Google Docs, também oferece apps para produção e edição de textos, slides e planilhas.

Infelizmente, o Google Docs não oferece um app similar ao Microsoft Outlook, mas não podemos deixar de considerar o Gmail.com, que é um dos serviços de emails mais utilizado no mundo. Ah, e você também pode obter o OneNote no Mac gratuitamente.

 

O kit de office do Google é realmente muito bom. O melhor é que ele se integra bem caso você já utilize uma conta do Google. Você também pode abrir um arquivo do Excel recebido no Gmail, o adicionando no Google Planilhas pressionando apenas um botão, bem legal isso!

 

Também é possível importar arquivos do Microsoft Office para o Google Docs para trabalhar neles, exportá-los novamente nos formatos do Microsoft Office .DOC .XLS e .PPT, juntamente com suas variações. Claro que não podemos esquecer que o Google é um gigante da tecnologia e que vem trabalhando das melhorias do su kit office.

 

 

2. LibreOffice

Sem dúvida o LibreOffice também é uma excelente opção, principalmente por que, além de ser a melhor alternativa de código aberto, também pode ser instalado gratuitamente no Seu Mac e em outras plataformas.

 

Se você está acostumado com a interface Microsoft Office, não vai demorar para se adaptar ao LibreOffice. Diferente do Google Docs, o pacote do LibreOffice vem com aplicativos que permitem serem utilizados em trabalhos off-line com todos os recursos.

Para se tornar ainda mais interessante, recentemente o LibreOffice adicionou seu ambiente online. Assim, você pode sincronizar arquivos do Google Drive ou do OneDrive e editá-los diretamente no LibreOffice. Infelizmente, neste caso não há recurso de colaboração.

 

O LibreOffice também faz um bom trabalho no que diz respeito à formatação ao importar documentos do Microsoft Office. Mesmo planilhas complexas do Excel importadas no LibreOffice Calc funcionarão muito bem. Enfim, trata-se de uma excelente opção, principalmente quando você precisa trabalhar com outras pessoas que usam Microsoft Office no Windows.

 

3. iWork

Se você tem um novo Mac é bem provável que nunca mais volte para o Windows. Não falo isso pelo poder de processamento que o Mac oferece, mas pelo conjunto de aplicações que já vem instaladas no sistema do Mac.

Dentre essas aplicações está incluído está o antigo iWork o “Office da Apple” que oferece o Pages, Numbers e Keynote, equivalentes do Word, Excel e PowerPoint, respectivamente.

Como esses são aplicativos exclusivos para Mac, você vai notar que a interface do usuário é bem diferente. Entretanto, em vez de ser carregado de informações, como o Microsoft Office, as opções aparecem em um menu contextual ao lado que pode ser aberto e fechado sempre que você quiser.

Você não terá opções avançadas como Macros e VBAs, como no Excel, mas em geral os três apps estão bem maduros e todos os conceitos básicos estão disponibilizados. Depois que você se acostumar com eles, não vai parar mais! Assim como nas alternativas anteriores, o iWork também permite importar e exportar documentos em formatos do Microsoft Office. O único ponto a considerar é que, por padrão ele salvará os arquivos  no formato do iWork.

Em geral, desde que você não use uma fonte específica do Mac, fazer um intercâmbio com documentos do Office não deve ser um grande problema. O iWork também oferece opções de colaboração online, através do iCloud.

 

Videoaula Completa!

Para completar seu aprendizado, também publicamos uma videoaula prática que vai te ajudar a entender melhor o assunto aqui abordado!

Sobre Paulo Alexandre

E-empreendedor, Consultor de tecnologia, Especialista Apple, Blogger,
criador do portal Tecnologia Pessoal e Blog do Super Apple.

Por que Você NÃO Deve Fechar Apps no iPhone

Saiba por que você não deve fechar apps no iPhone

Você se esforça para fechar todos os aplicativos do seu iPhone a todo momento? Se sim, pare agora com isso. Sob o mesmo ponto de vista da Apple, a verdade é que essa é uma ação desnecessária e nós vamos te mostrar por que. Se você é como muitos usuários do iPhone, normalmente abre o App Switcher e desliza para fechar todos os aplicativos lá. Isso não só atrapalha a vida útil da bateria, mas também o funcionamento geral do iPhone sobretudo no seu dia a dia.

Noções básicas de fechamento de apps no iPhone

Contudo, para estarmos todos na mesma página, vamos definir rapidamente o que significa deslizar para fechar os aplicativos. Antes de fechar apps em um iPhone, você primeiro precisa abrir o App Switcher, que mostra os apps recentes que você pode tocar para alternar entre eles.

Dependendo do seu iPhone, o método para abrir o App Switcher é diferente. Em um iPhone com Face ID, deslize de baixo para cima na tela e faça uma pausa próximo ao centro. Por outro lado para modelos de iPhone com um botão Home, clique duas vezes no botão Home para abrir o App Switcher. Enfim, de um jeito ou de outro esse recurso está disponível.

Fechar Apps no iPhone

Por que você não deve fechar constantemente os aplicativos do iPhone

Fechar os aplicativos do iPhone o tempo todo vai contra a maneira como o iOS, o sistema do iPhone, foi projetado. Entretanto este recurso tem uma finalidade, que é acessar rapidamente os últimos apps em uso. Mas, vamos revisar várias razões para isso.

1. Os aplicativos não são executados em segundo plano

É um equívoco comum pensar que todos os aplicativos do App Switcher estão sendo executados em segundo plano e, portanto, usando os recursos do iPhone, isso não é verdade. A página de suporte da Apple sobre a troca de aplicativos do iPhone afirma o seguinte:

Depois de mudar para um app diferente, alguns apps são executados por um curto período de tempo antes de serem colocados em um estado suspenso. Como estão em estado suspenso não estão ativamente em uso, abertos ou consumindo recursos do sistema. Diz a Apple.

Dessa forma, a maioria dos apps que aparecem no Switcher não representam processos ativos. Eles simplesmente aparecem por uma questão de conveniência, facilitando o acesso. O App Switcher não é como o Gerenciador de Tarefas do Windows ou o Monitor de Atividades do Mac. Você não precisa fechar os aplicativos manualmente para impedi-los de funcionar.

👉 Veja também: Diminua a Tela ProMotion e Economize Bateria no iPhone 13 Pro

2. Seu iPhone gerencia a RAM por conta própria

Este ponto continua a partir do anterior. O iOS faz um ótimo trabalho no gerenciamento dos recursos disponíveis no seu dispositivo, sobretudo ao fechar aplicativos o tempo todo, você o força a trabalhar mais.

Assim como qualquer computador, o iPhone também tem uma quantidade limitada de memória RAM, que usa para armazenar os processos em execução. O iOS remove regularmente apps da RAM quando eles não são mais necessários. Apps não utilizados por algum tempo são fechados automaticamente, principalmente quando você os abre mais tarde. Observar isso abrindo o App switcher e role da esquerda para a direita para chegar a um aplicativo que está profundamente enterrado na lista.

Quando tocar, ele provavelmente não continuará de onde você parou, já que foi suspenso há um tempo para abrir espaço para os aplicativos que você está usando agora. Fechar aplicativos o tempo todo, impede que o iOS gerencie processos essenciais.

3. Fechar aplicativos força-os a recarregar

Quando você força o fechamento de aplicativos o tempo todo, você está tornando todos os aplicativos usados ​​com frequência menos convenientes. Digamos que você esteja enviando uma mensagem de texto para seu amigo no WhatsApp e desliza para fechar o aplicativo após cada resposta. Cada vez que uma nova mensagem chega, você deve abrir o WhatsApp e selecionar a conversa com seu amigo novamente. Seria mais rápido apenas deixar o Mensagens aberto para que você possa retornar à conversa assim que desbloquear o telefone, certo?

Embora não seja uma grande diferença de fuso horário, ela aumenta ao longo do dia. Mas não é apenas o tempo – isso também afetará negativamente a vida útil da bateria. Ao forçar seu telefone a fechar aplicativos e, em seguida, reabri-los o tempo todo, ele terá mais trabalho do que se você simplesmente os deixasse abertos.

4. Fechar aplicativos torna o alternador de aplicativos menos útil

O App Switcher se torna menos útil quando você desliza constantemente todos os seus aplicativos fechados. O objetivo do switcher é facilitar o acesso aos aplicativos que você acabou de abrir. Quando está sempre vazio, você deve iniciar os aplicativos na tela inicial ou na busca do Spotlight todas as vezes.

Isso desperdiça seu tempo, especialmente para aplicativos que não estão na tela inicial principal ou no Dock.

5. A Apple diz que é desnecessário

Se você não está convencido de tudo isso, talvez a confirmação da própria Apple mude de ideia.

A falta de um botão Fechar tudo no App Switcher diz implicitamente como a Apple pretende que esse recurso funcione. Se a empresa recomendasse fechar todos os seus aplicativos regularmente, provavelmente seria mais fácil fazer isso com esse botão, certo? A página de suporte da Apple sobre como fechar aplicativos afirma que “você deve fechar um aplicativo apenas se ele não responder“. Se fechar aplicativos o tempo todo ajudasse o iPhone, a Apple deixaria isso bem claro, não acha?

 

Quando você deve fechar os aplicativos do iPhone

Felizmente, agora você entende por que não deve fechar os aplicativos do iPhone o tempo todo. No entanto, ainda há momentos em que fechar um aplicativo é uma boa ideia. Conforme mencionado acima, fechar um aplicativo é útil se ele estiver travado ou não estiver respondendo. Se um aplicativo parecer travado por qualquer motivo, fechá-lo e tentar novamente é uma etapa simples de solução de problemas.

Você também pode fechar os aplicativos que são executados em segundo plano quando terminar de usá-los. No iOS, os únicos aplicativos que funcionam assim são reprodutores de música, aplicativos de navegação, gravadores de áudio e similares. Portanto, se você estiver reproduzindo música no Spotify e quiser que pare, pode deslizar para fechar o aplicativo imediatamente.

Outro uso prático para fechar alguns aplicativos ocasionalmente é arrumar seu App Switcher. Se você abriu um aplicativo que não usa com frequência, não há problema em removê-lo do alternador para que seja mais fácil alternar entre os aplicativos que você usa com mais frequência.

A última categoria que você deve fechar são os aplicativos que podem tentar abusar de seus privilégios e permanecer em execução em segundo plano, como o Facebook. Mas se você não confia em um aplicativo para seguir as regras do iOS, você deve desinstalá-lo do seu telefone.

Pare de fechar aplicativos no seu iPhone constantemente

Você não deve deslizar todos os aplicativos no App Switcher. Isso evita que o iOS funcione como esperado, desperdiça energia ao forçar os aplicativos a recarregar sem motivo e torna a alternância entre os aplicativos menos conveniente. A Apple afirmou em vários lugares que é desnecessário, então você deve parar de fazê-lo.

Se você se pega deslizando aplicativos como parte do vício do seu iPhone, existem algumas maneiras fáceis de usar seu dispositivo com menos frequência.

Sobre Paulo Alexandre

E-empreendedor, Consultor de tecnologia, Especialista Apple, Blogger,
criador do portal Tecnologia Pessoal e Blog do Super Apple.

Diminua a Tela ProMotion e Economize Bateria no iPhone 13 Pro

Bateria no iPhone 13 Pro

A tela ProMotion de 120Hz parece incrível na linha iPhone 13 Pro, mas também esgota a bateria mais rapidamente. Veja como voltar a cair para 60Hz.

O iPhone 13 Pro e o iPhone 13 Pro Max da Apple são os primeiros smartphones da empresa com telas de alta taxa de atualização. A 120Hz, tudo, desde rolar pela interface do usuário até jogar em ritmo acelerado, parece suave e fluido. No entanto, ele tem o custo do desempenho da sua bateria.

Embora toda a linha iPhone 13 já ofereça uma duração incrível da bateria, você pode estendê-la ainda mais nos modelos Pro, limitando a taxa de atualização a 60Hz. Felizmente, a Apple facilita isso. Aqui, veremos como você pode desativar 120Hz no seu iPhone 13 Pro e iPhone 13 Pro Max.

Bateria no iPhone 13 Pro

Desative 120Hz no iPhone 13 Pro

A Apple ocultou a opção de desativar a alta taxa de atualização nas configurações de Acessibilidade do iOS. Siga estas instruções simples para desativar o 120Hz ProMotion no seu iPhone:

1. Primeiramente toque em Ajustes, em seguida Acessibilidade

2. Agora, selecione Movimento, que está localizado na categoria Visão.

3. Aqui toque e ative a opção Limitar Taxa de Quadros

Agora você desativou com sucesso 120Hz no seu iPhone 13 Pro. Se você gosta de alternar entre os modos de 60Hz e 120Hz com base no nível da sua bateria, pode achar esse método inconveniente.

Estenda o desempenho da bateria do seu iPhone 13 Pro com 60Hz

Não duvidamos que 120Hz seja lindo para os olhos, mas se você jogar muito ou rolar demais a tela, isso pode afetar negativamente a vida útil da sua bateria. Portanto, limitar a taxa de atualização a 60Hz pode ajudar muito a aumentar o tempo de ativação da tela do seu iPhone. Claro, não é para todos, mas pelo menos você tem a opção quando realmente precisa desse último pedaço de duração da bateria.

Veja também:

Sobre Paulo Alexandre

E-empreendedor, Consultor de tecnologia, Especialista Apple, Blogger,
criador do portal Tecnologia Pessoal e Blog do Super Apple.

Aprenda Como Ativar o Flash da Câmera do iPhone da Forma Correta!

Quer forçar seu iPhone a usar o flash enquanto você tira uma foto? Tudo o que você precisa fazer é apertar a alternância direita no aplicativo Câmera.

À medida que as câmeras do iPhone ficam mais cheias de recursos, os ícones e botões adicionados dentro do aplicativo Câmera podem ser confusos para algumas pessoas. Entretanto você pode usar o flash da câmera em vez do Modo Noturno em ambientes com luz insuficiente. E como os ícones não têm mais rótulos, é difícil descobrir como ligar o flash do iPhone.

O que significam ícones flash do iPhone?

Você verá vários ícones circulares enquanto usa o app Câmera no seu iPhone. Em geral, eles seguem as seguintes regras:

  • Quando há uma barra através do ícone de flash, isso significa que o flash está desligado.
  • Quando não barra e o ícone de flash é branco, isso significa que o flash da câmera está ajustado para automático. Com boa luz, não piscará, e com pouca luz, piscará.
  • Quando o ícone de flash da câmera do iPhone está amarelo, isso significa que ele sempre piscará quando você tirar a foto. Isso pode ser porque está definido como sempre ativo ou, se estiver no modo automático, é porque seu iPhone acha que precisa usar o flash.

Como ativar o flash em um iPhone Mais Novo

As instruções para ligar o flash da câmera do iPhone variam dependendo do seu modelo. Veja como habilitar o flash para um iPhone 11, 12, SE (2a geração), 13 e assim por diante:

1. Primeiramente abra o app Câmera, em seguida deslize para cima até aparecer o símbolo do flash

Flash da Câmera do iPhone

 

2. Note que ao tocar no ícone, você terá opções para utiliza-lo ou não.

Flash da Câmera do iPhone

Observe que você também pode seguir as etapas acima para ativar o flash da tela frontal enquanto tira selfies.

Como Ligar o Flash do iPhone para Vídeo

Quando estiver no modo Vídeo, Câmera Lenta ou Cinematográfico do app Câmera do iPhone, deslize para longe do botão de gravação para ver o ícone de flash e toque em Ativado. Como resultado ele ligará instantaneamente, mesmo quando você não estiver gravando. Sempre que estiver pronto, toque no botão de gravação para iniciar a videografia com o flash da câmera ativado.

Flash da Câmera do iPhone

Você não pode usar o flash da câmera do iPhone nos modos Pano (Panorama) e Time-Lapse, portanto atente-se ok?

As etapas acima mostram como configurar o flash da câmera do iPhone para permanecer ligado e não ser assumido pelo modo Noite. Se você mudar de ideia e ativar o modo Noturno, ele desativará o flash.

Via

Sobre Paulo Alexandre

E-empreendedor, Consultor de tecnologia, Especialista Apple, Blogger,
criador do portal Tecnologia Pessoal e Blog do Super Apple.

Como Manter o Modo Noturno Desativado na Câmera do seu iPhone

Aprenda como manter o modo noturno desativado na câmera do seu iPhone!

Cansou de ver Modo Noturno sendo ativado no app Câmera do seu iPhone sem você pedir? Com pouca luz, sempre que você abre o aplicativo Câmera no iPhone 11 ou posterior, ele ativa automaticamente o Modo Noturno. Você pode desligá-lo manualmente com alguns toques. Mas ele ligará novamente na próxima vez que você abrir a câmera em um ambiente com pouca luz.

Veja este tutorial até o final e aprenda como resolver o problema.

Como manter o modo noturno desativado na câmera do seu iPhone

Antes de começar, certifique-se de atualizar seu iPhone para o iOS 15, pois isso vai adicionar uma nova opção dentro das configurações da câmera. Veja abaixo como desativar o modo noturno no seu iPhone com iOS 15.

1. Primeiramente abra o app Ajustes depois Câmera

Câmera do seu iPhone

2. Em seguida toque na opção Preservar Ajustes

Câmera do seu iPhone

3. Agora ative a opção Modo Noite

Câmera do seu iPhone

4. Agora, abra o app Câmera, por último toque no ícone Modo Noite e deslize-o para posição desligado, conforme indicado na imagem abaixo.

Câmera do seu iPhone

Observe que nessa etapa você não consegue ver o ícone do Modo Noite se estiver com luz brilhante. Entretanto, coloque as mãos sobre a câmera para criar uma cena escura. Em seguida, veja o ícone do Modo Noturno reaparecer.

Agora, seu iPhone se lembrará disso e não ativará o Modo Noturno automaticamente da próxima vez que você tentar clicar em imagens com pouca luz.

Use a câmera do seu iPhone sem o modo noturno para sempre

É assim que você pode desativar completamente o Modo Noturno. Sempre que desejar usar o Modo Noturno novamente, você terá que ativá-lo manualmente tocando em seu ícone no aplicativo Câmera.

Lembre-se de que, se você deixar o Modo Noite ativado, seu iPhone se lembrará dessa configuração e a ativará automaticamente na próxima vez que você abrir o aplicativo Câmera. Assim, certifique-se de desativar o Modo Noturno depois de usá-lo em uma ocasião única.

Sobre Paulo Alexandre

E-empreendedor, Consultor de tecnologia, Especialista Apple, Blogger,
criador do portal Tecnologia Pessoal e Blog do Super Apple.

Como Liberar Espaço no iCloud Reduzindo o Backup do iPhone

Precisa liberar espaço no iCloud para fazer backup do seu iPhone? Pode ser mais fácil diminuir o tamanho do backup em si, o que você pode fazer seguindo estas dicas.

Sabemos que a Apple oferece 5 GB no iCloud gratuitamente para todos que criam uma conta. Entretanto, esse espaço nem sempre é o suficiente, principalmente quando o backup do iPhone está ativado. Como resultado temos que contratar mais espaço no iCloud.

A boa notícia é que você pode diminuir o tamanho dos backups do iCloud, procurando algumas soluções alternativas para reduzir o espaço ocupado do iCloud.

Como Reduzir o Tamanho dos Backups e ainda liberar espaço no iCloud

Usando este tutorial, você vai aprender como impedir que alguns aplicativos não façam parte do backup do iCloud, sobretudo aqueles não essenciais.

Aplicativos não essenciais podem ser aqueles cujos dados você não se importa ou que já armazenam tudo em seus próprios servidores. Exemplos incluem YouTube, aplicativos de notícias, Facebook, Twitter, Instagram e afins. Mesmo que você impeça que esses aplicativos façam backup, seus dados são salvos em seus servidores. Você pode fazer login usando o mesmo nome de usuário e senha para obter tudo.

Veja como reduzir o tamanho do arquivo de backup do iCloud excluindo alguns aplicativos:

1. Primeiramente abra o App Ajustes no seu iPhone e toque no seu nome

liberar espaço no iCloud

2. Segundo, toque em iCloud, conforme indicado na imagem abaixo

liberar espaço no iCloud

3. Agora toque em Gerenciar Armazenamento

liberar espaço no iCloud

4. Em seguida toque em Backups, dessa forma você terá acesso a todos os backups localizados dentro do seu iCloud.

liberar espaço no iCloud

5. Em seguida, toque em Mostrar Todos os Aplicativos e desative os interruptores de todos os aplicativos desnecessários para impedir que eles façam parte do seu backup do iCloud.

Como Criar um Novo Backup de iPhone ou iPad com Tamanho Reduzido

Depois de seguir as etapas acima, o próximo backup que seu iPhone ou iPad fizer terá um tamanho de arquivo diminuído. De acordo com a Apple, seu dispositivo faz backup automaticamente quando está bloqueado e conectado à energia e Wi-Fi. Mas, se quiser, você pode fazer um backup manualmente do seu iPhone ou iPad agora seguindo estas etapas:

  1. Abra Configurações e toque no seu nome.
  2. Toque em iCloud > Backup do iCloud > Fazer Backup Agora.

Além de reduzir o tamanho do backup do iCloud, aqui estão mais algumas sugestões para ajudá-lo a gerenciar seus 5 GB de armazenamento gratuito do iCloud corretamente.

Via

Sobre Paulo Alexandre

E-empreendedor, Consultor de tecnologia, Especialista Apple, Blogger,
criador do portal Tecnologia Pessoal e Blog do Super Apple.

Aprenda Esconder a Localização das Suas Fotos Tiradas Com iPhone

Poucas pessoas sabem, mas as fotos tiradas com iPhone salvam sua data e a localização. 

Pois é, as fotos tirada com iPhone salvam informações detalhadas. Para algumas pessoas isso é bom pois ajuda na organização pessoal. Entretanto para outras pessoas, isso pode ser um grande problema.

O fato é que todo mundo precisa aprender sobre esses metadados, afinal muitos precisam de privacidade. A boa notícia é que a partir do iOS 15 você pode mudar a data e localização das suas fotos diretamente do iPhone.

Alterando a Data, Hora e Local do Fotos do iPhone

Até este ponto, você tinha que usar o aplicativo Fotos no Mac, ou confiar em apps de terceiros, para editar os metadados das fotos do seu iPhone.

Entretanto, o iOS 15 oferece uma forma rápida e integrada para alterar essas informações diretamente do aplicativo Fotos no seu iPhone ou iPad.

👉 Veja também: Vai Compartilhar uma Foto Tirada no iPhone? Remova a Localização Antes!

Como alterar metadados em fotos tiradas com iPhone

Aqui está um guia passo a passo onde você vai aprender como alterar a data e a hora de uma foto no iPhone.

1. Primeiramente, abra o App Fotos no seu Mac. Em seguida escolha uma foto que deseja alterar.

Fotos Tiradas Com iPhone

2. Toque no ícone i na parte inferior para visualizar os metadados da imagem. Você também pode deslizar para cima de qualquer parte da imagem.

Fotos Tiradas Com iPhone

3. Perceba que na janela que se abriu você terá duas opções “Ajustar”

Fotos Tiradas Com iPhone

Na primeira opção você pode alterar a data e hora registrada na captura ou salvamento da imagem, Enquanto que no segundo ajuste você pode alterar a localização, onde a foto foi tirada.

Se você acessar a página Ajustar Data e Hora novamente, a Apple permitirá que você reverta essas alterações. Basta abrir a foto e tocar em i > Ajustar > Reverter.

Como Alterar Metadados em Várias Fotos ao mesmo tempo

Alterar metadados pode ser um processo tedioso se você tiver várias imagens na fila. Felizmente, o aplicativo Fotos permite que você faça isso para várias fotos de uma só vez.

1. Primeiramente selecione várias fotos, depois toque no pequeno ícone compartilhar na parte inferior da tela.

Fotos Tiradas Com iPhone

2. Em seguida, deslize o menu para cima para encontrar as opções com os ajustes de tempo e localização.

Fotos Tiradas Com iPhone

Como alternativa, para remover facilmente a localização de várias imagens, toque em Opções na janela pop-up ao lado de Localização Incluído e desative Localização. Se você selecionar várias fotos, o aplicativo Fotos aplicará as novas configurações de data, hora ou local a todas elas.

Você deve editar metadados em suas fotos?

Isso depende de você. Editar metadados EXIF em suas fotos lhe dá alguma privacidade se você quiser compartilhar a imagem on-line, já que nem todas as plataformas removem essas informações confidenciais. Se você compartilhar sua imagem on-line, alguém poderá ler seus metadados EXIF e dizer onde você estava no momento em que tirou a foto.

Via

Sobre Paulo Alexandre

E-empreendedor, Consultor de tecnologia, Especialista Apple, Blogger,
criador do portal Tecnologia Pessoal e Blog do Super Apple.